Atribuições da brigada de incêndio em empresas e edificações residenciais.

Atribuições dos brigadistas de incêndio em empresas e condomínios residenciais.

Ter a Brigada de emergência em edificações é requisito legal mandatório em todas as instruções técnicas do Bombeiro Militar para todos os estados do Brasil.

Com exceção das edificações unifamiliares, outras ocupações precisam ter uma brigada de emergência devidamente dimensionada e treinada para emergências, e prevenção de acidentes.

A ABNT NBR 14276:2020 estabelece requisitos e procedimentos para composição, e atividades das brigadas de emergência protegendo a vida, danos sociais e ao meio ambiente.

O propósito da brigada, vai além de saber usar um extintor de incêndio, a essência da brigada é trabalhar na prevenção de sinistros e acidentes nas edificações.

Na prevenção de sinistros e acidentes a brigada precisa desenvolver atividades previstas nas normas técnicas do Bombeiros Militar, bem como na NBR 14276/2020.

As principais atribuições da brigada de emergência em edificações segundo a NBR 14276/2020 item 5.1 são:

a) conhecer e aplicar os procedimentos estabelecidos no plano de emergência da planta, elaborado de acordo com a ABNT NBR 15219;

 b) identificar os perigos e avaliar os riscos existentes na planta ou área, e trabalhar para corrigir os atos inseguros e as condições inseguras encontradas;

 c) inspecionar periodicamente equipamentos de atendimento de emergências, prevenção e combate a incêndio,manendo acesso aos extintores, hidrantes, quadro elétrico, corredores e saídas de emergência;

 d) inspecionar periodicamente as rotas de fuga, incluindo a sua liberação e sinalização; 

 e) participar dos exercícios simulados e estar sujeito à avaliação de desempenho de conhecimentos práticos;  

f) apresentar sugestões para melhorias das condições de segurança contra incêndio e acidentes;

 g) participar das atividades de avaliação, liberação e acompanhamento das atividades de risco compatíveis com a sua qualificação;

h) registrar todas as ocorrências de emergência e sugerir medidas preventivas, a fim de evitar novas ocorrências.  

Percebam que os itens sobre taxados são ações de prevenção, realizadas periodicamente pelo brigadista de emergência para prevenção de acidentes e sinistros na edificação.

A  INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 17/2019 do Corpo de Bombeiros de São Paulo divide as atribuições da brigada de emergência em ações de prevenção e ações de emergências.

No item 5.1.1 podemos observar o seguinte texto, Ações de prevenção realizadas pela brigada de emergência de edificações são:

a. análise dos riscos existentes durante as reuniões da brigada de incêndio; 

b. notificação ao setor competente da empresa ou da edificação das eventuais irregularidades encontradas no tocante a prevenção e proteção contra incêndios;

c. orientação à população fixa e flutuante; 

d. participação nos exercícios simulados; e. conhecer o plano de emergência da edificação.  

Nesse sentido é notório que a brigada de emergência de uma edificação precisa ter um planejamento de trabalho devidamente organizado e sistematizado.

Para que cada brigadista execute suas atribuições e informações relativas a:

Levantamento de riscos, perigos, registro de não conformidade e oportunidade de melhorias, são trabalhados para que o departamento de segurança no trabalho pense na gestão de mudanças.

Para resumir a primeira parte deste artigo, precisamos desconstruir o conceito de que basta um treinamento anual para formação da brigada de emergência da edificação.

Pois como apresentado acima, é necessário ter um sistema de gestão para que a brigada possa desenvolver o trabalho de prevenção, alerta e socorro.

Como os empresários enxergam a brigada de emergência em edificações!

O histórico brasileiro de incêndios em edificações é um retrato da visão da maioria dos empresários quando o assunto é investimentos em brigada para prevenção contra incêndio. 

A maioria considera tais investimentos como não prioritários e direcionam recursos para aumento da produtividade ou patrimônio, deixando em segundo plano a segurança dos trabalhadores, meio ambiente  e patrimônio.

Na visão de muitos, a brigada de emergência não passa de custos para empresa e só existe para atendimento legal da legislação.  Com esse pensamento, de fato, as empresas perdem dinheiro com a brigada de emergência.

Essa falta de visão prevencionista faz parte da nossa cultura pobre e medíocre sobre aspectos de segurança no trabalho ou prevenção de sinistros em edificações. 

Desde a Década dos anos 90 com a chegada das grandes empresas multinacionais no Brasil muita coisa melhorou quanto a cultura prevencionista, mas há ainda um longo caminho pela frente.

Como ganhar performance prevencionista e ainda economizar com mão de obra? “a sacada”

Sabemos que ter uma equipe de brigada de emergência na edificação é um requisito legal mandatório, ou seja, é lei e as edificações precisam cumprir para possuir seu AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros).

Pois sem ele a empresa não consegue outros documentos legais como alvará de funcionamento ou a contratação do seguro da edificação. 

Então, já que é obrigatório realizar tal investimento na formação de uma brigada de emergência por que não extrair dessa equipe todos os benefícios para a empresa ou edificação?

Grande parte das empresas no Brasil não possuem equipes de SESMT robustas, isso porque a maior parte dos empregos estão ligados 99% das organização que são micro e pequenas empresas.

Dessa forma podemos entender que a maioria das empresas possuem pequenas equipes e segurança, talvez um ou dois técnicos em segurança no trabalho.

Contudo, mesmo sendo uma micro ou pequena empresa as demandas na área de segurança e saúde ocupacional são grandes.

E as equipes de segurança precisam gerir todos os dias inúmeros requisitos legais que vão desde de elaboração de laudos a inspeção de áreas.

Ter uma brigada de emergência é como ter uma grande equipe de SESMT, os brigadistas devem dar apoio às atividades da área de segurança no trabalho contribuindo com o sistema de gestão e promovendo prevenção de acidentes e sinistros na edificação.

A diferença é que a brigada de emergência é voluntária, não há custos adicionais para pagamento da mão de obra da brigada de emergência e nem desvio de função.

Portanto, basta que as atividades e atribuições de cada brigadista seja planejada de forma inteligente, sem acarretar prejuízos a suas atividades originais para qual cada funcionário foi contratado.

Vamos dar um exemplo claro:

Dificilmente o gerente de produção vai ficar feliz se o técnico em segurança retirar seu colaborador da frente de linha num momento de alta produção para realização de uma inspeção de segurança em toda a edificação que leva pelo menos 2 horas. 

Esse tipo de conflito é a principal causa da existência de brigadas de emergência fantasmas, pouco atuantes, ou que só entra em ação quando precisam prestar primeiros socorros a um acidentado.

Aliás, nesse caso a brigada de incêndio já falhou, pois o acidente na edificação já aconteceu e os custos já são maiores que o investimento realizado na formação da brigada.

Mas e se cada brigadista possui um micro planejamento de atividades, passível e ser executado em fração de minutos?

O Sr. Mário Oliveira é operador pleno de CNC na linha de produção de garrafas PET numa empresa de São Paulo, capital.

Seu dia a dia é corrido e ele não pode parar suas atividades para executar inspeções periódicas nas instalações, ou participar de reuniões demoradas sobre o plano de emergência.

Porém, mesmo assim ele é um dos 35 brigadistas de emergência da empresa e um dos 5 brigadistas do seu setor.

Uma vez por mês, quando o sinal da hora do almoço toca, ele se prepara para ir até o refeitório, mas diferentemente dos demais colegas de trabalho que seguem o caminho principal.

o Sr. Mário segue pela rota de fuga, passa pela porta corta fogo, desses as escadas de emergência e nesse caminho ele vai inspecionando mais de 10 itens que aparece num formulário via aplicativo no celular.

Se alguma não conformidade é constatada, exemplo:

Corrimão da escada de emergência quebrado, o Sr. Mário registra a não conformidade e em fração de segundo pelo aplicativo e a equipe de segurança recebe a demanda em fração de segundos.

E tudo isso é realizado pelo brigadista no caminho do setor de trabalho até o refeitório, e sem se atrasar para o almoço!

Entretanto, é exatamente desta forma que os 35 brigadistas desta empresa em São Paulo executam todos os meses as atividades de prevenção e correção prevista nas normas citadas no início deste artigo, que vão desde inspeções de áreas a inspeções de equipamentos.

O que essa empresa está fazendo é simples, atribuindo ações de prevenção ao dia a dia da equipe de brigada de emergência.

Portanto, mesmo tendo apenas um técnico em segurança no trabalho, faz valer o investimento realizado para a formação da equipe de brigada de emergência.

Os ganhos para a empresa são notórios quando a equipe de brigada de emergência é atuante e trabalha em parceria com a equipe de segurança no trabalho e para se conseguir este tipo de gestão basta duas coisas: Planejamento e ferramentas certas.

O software e aplicativo e-brigada é um sistema de gestão exclusivo para o gerenciamento de equipes de brigadas de incêndio e suas atribuições preventivas, corretivas e emergenciais, vale muito conhecer esta ferramentas digital.

Compartilhe esse post:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Postagens Relacionadas

Comentários